sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

Saiba como a impressão 3D pode salvar milhares de vidas

As impressões 3D já ajudaram diversos campos e agora chegou a vez da biomedicina evoluir. Pesquisadores da Escola de Medicina da Universidade Wake Forest, nos Estados Unidos, estão realizando testes para que órgãos “naturais” sejam transplantados por meio da impressão.
Através desta inovação, os especialistas podem imprimir estruturas de cartilagem e componentes ósseos e musculares. Os primeiros testes foram realizados em ratos de laboratórios, que puderam desenvolver vasos sanguíneos nas células, permitindo que fossem transformados em tecidos. De acordo com os médicos responsáveis pela pesquisa, Sean Murphy e Anthony Atala, foi necessário um dispositivo para que a impressão fosse realizada.
“Comparado a impressões não biológicas, esse processo envolve complexidades adicionais, como a escolha de materiais, tipos de célula e desafios técnicos relacionados à sensibilidade das células vivas e à construção dos tecidos”, escreveram os responsáveis. De acordo com os cientistas, o dispositivo se chama Sistema Integrado de Impressão de Tecido e Órgão (Itop) e utiliza materiais plásticos e biodegradáveis para a criação dos órgãos. Já na sustentação das células, os especialistas usam gel à base de água.
Apesar dos avanços, eles ainda não podem garantir a durabilidade dos órgãos no corpo humano. Outra empresa em San Diego já começou o estudo de impressão 3D de tecidos vivos. Em um anuncio no ano passado, a Organovo, laboratório especializado em pesquisas tridimensionais, disse estar usando tecidos humanos em camundongos.
Jornal Ciência

0 comentários:

Postar um comentário