quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

MPRN abre seleção para assessor jurídico ministerial na CJUD


Resultado de imagem para MPRN 
O Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN) está com uma vaga aberta para a função de assessor jurídico ministerial na Coordenadoria Jurídia Judicial (Cjud). A remuneração para a função é de R$ 4.850,56 (mais auxílio alimentação e saúde). A seleção contará com etapas de análise dos currículos, elaboração de redação jurídica e entrevista técnica.
O candidato selecionado será encaminhado para definição final e nomeação pelo Procurador-Geral de Justiça. O cargo é para provimento em comissão, de livre nomeação e exoneração. A jornada de trabalho será de 40 horas semanais, ficando o ocupante do cargo sujeito ao regime integral de dedicação ao serviço, podendo ser convocado sempre que houver interesse da instituição, consoante parágrafo único do art.19, da Lei Complementar 122, de 30 de junho de 1994.
Para participar, os interessados deverão entregar o currículo profissional na Procuradoria-Geral de Justiça (PGJ), localizada à Rua Promotor Manoel Alves Pessoa Neto, 97, Candelária (ponto de referência: rua situada em frente ao Condomínio residencial Green Village, na Av. Jaguarari). O recebimento de currículos vai até o dia 07 de fevereiro, no Setor de Protocolo, das 8h às 17h (de segunda à quinta-feira) e das 8h às 14h (às sexta-feiras) – telefone de contado é o (84) 3232-4558 (das 8h às 17h).
Os candidatos que compõem o cadastro de opções aos cargos de assessor jurídico ministerial (Resolução nº 075/2014-PGJ) estão sendo contatados via e-mail para manifestação quanto ao interesse de participação do certame. Aqueles que sinalizarem positivamente serão inseridos na triagem de currículos.
O currículo deve ser apresentado em folha A4, sem encadernação, pasta ou envelope, com cópia do documento de indentidade e CPF. Não há necessidade de apresentar documentos comprobatórios no ato da entrega do currículo.
Para ocupar o cargo é preciso que o interessado possua nível superior em Direito. É desejável que tenha conhecimento técnico em redação oficial, domínio da língua portuguesa e dos termos jurídicos, além de expertise nas áreas jurídicas afins à atuação do Ministério Público.

0 comentários:

Postar um comentário